quinta-feira, 24 de julho de 2014

ADENITE EQUINA - Garrotilho

Post da Colaboradora Ana Carolina Braga (Farmácia Veterinária Selaria Dias)



A adenite equina, conhecida também pelo nome de garrotilho, é uma enfermidade bacteriana contagiosa, causada pelo Streptococcus equi subsp. equi, caracterizando-se por uma inflamação mucopurulenta do trato respiratório anterior de equinos de todas as idades, porém, mais predominantemente em animais jovens.

Distribui-se mundialmente, sendo responsável por significativas perdas econômicas, devido ao custo do tratamento, gastos com medidas de controle e eventuais mortes que podem ocorrer. Leva a óbito em apenas 10% dos casos da doença, e a morte ocorre em consequência da disseminação dos abscessos ou púrpura hemorrágica, causada pelo acúmulo de anticorpos.

A transmissão ocorre de forma direta entre equinos que estão incubando a doença, que apresentam sintomas, mas estão em recuperação e de forma indireta. Esta bactéria possui um período de incubação de 3 a 14 dias.

O agente do garrotilho causa a enfermidade ao fixar-se nas células epiteliais da mucosa nasal e oral, invadindo as mucosas nasofaríngeas, levando à uma faringite aguda e rinite. Quando o organismo do hospedeiro não consegue impedir o processo inflamatório, o agente invade a mucosa e o tecido linfático faríngeo. Ao passo que a enfermidade evolui, há a formação de abscessos, em especial, nos linfonodos retrofaríngeos e submandibulares, causando uma obstrução local devido à compressão. Entre 7 a 14 dias após, fistulam, sendo drenados, liberando o pus repleto de bactérias, contaminando o ambiente.

Os sinais clínicos manifestados pelos animais são típicos de um processo infeccioso generalizado; apresenta também uma secreção nasal serosa, que em seguida passa a ser mucopurulenta e, dentro de alguns dias passa a ser purulenta, tosse produtiva, dor à palpação da região mandibular, linfadenopatia, em especial, dos linfonodos submandibulares, extensão do pescoço devido à dor na região da laringe e faringe. Estes sintomas são clássicos do garrotilho, embora animais mais velhos possam não desenvolver abscessos em consequência de uma prévia infecção pela bactéria S. equi subsp. equi.

O diagnóstico é feito através do quadro clínico e sua confirmação pode ser feito através do isolamento da bactéria S. equi subsp. equi, através da pesquisa da secreção nasal purulenta ou do conteúdo de abscessos, coletado com o auxílio de swab nasal e conservação sob refrigeração até o momento da análise. Pode ser realizado também a técnica de Reação em Cadeia de Polimerase (PCR), que detecta do agente vivo ou morto. A técnica de ELISA também pode ser utilizada na busca de anticorpos contra a bactéria em questão.

O tratamento é feito com base no estágio da enfermidade. Equinos que não apresentam abscessos nos linfonodos devem ser tratados com penicilina G, na dosagem de 18.000-20.000 UI/kg, ou trimetoprim em associação com sulfametaxol na dose de 20 mg/kg, administrado por via intramuscular durante 5-10 dias. Quando o animal apresenta abscessos, há a aplicação de substâncias revulsivas para facilitar sua maduração para depois serem pronunciados, como por exemplo, o iodo. Posteriormente deve ser feito um curativo no local. Animais em risco devem ser tratados anteriormente com penicilina, durante o período de exposição ao microrganismo. Em casos de complicações, deve ser feito um tratamento suporte, como fluidoterapia, medicamentos expectorantes e antimicrobianos em dosagens superiores das recomendadas normalmente.

Fonte: 



quarta-feira, 23 de julho de 2014

Bem-vindos ao Blog da Selaria Dias!


Sejam muito bem-vindos, este é mais um canal de contato entre a Selaria Dias e seus queridos clientes, amigos e a todos os que são apaixonados por esse estilo de vida, seja country, gaúcho, hípico...

Aqui será um espaço de muita informação, entretenimento, dicas de saúde animal e muito mais. Esperamos que gostem.

Estaremos abertos a comentários e dicas vindos de todos que passarem por aqui.

Fiquem a vontade para entrar em contato ou nos fazer uma visita quando quiserem:

Loja física: Av. Visconde de Guarapuava, 2227 - Centro - CEP 80010-100 - Curitiba/PR
(41) 3222-3883

Loja virtual: www.selariadias.com.br - (41) 3224-5248

E-mails: vendas@selariadias.com.br  ; atendimento@selariadias.com.br ; marketing@selariadias.com.br


Abraços!